Country ou Rock?

Ao longo dos anos, jornalistas, críticos e fãs sempre se dividiram na hora de classificar o som do Homem de Preto. Country ou Rock? Afinal, mesmo sendo uma lenda da música country, Cash faz parte da história do rock´n´roll.

Juntamente com Elvis Presley, Carl Perkins, Jerry Lee Lewis, entre outros, Johnny Cash ajudou a criar o estilo. Além disso, ele foi um dos pioneiros do rockabilly. Basta ouvir músicas como “Get Rhythm”, por exemplo.

E o que dizer de suas roupas? Muito antes de qualquer metaleiro se vestir de preto, lá estava Johnny Cash. Isso sem falar de suas letras, suas atitudes e sua vida conturbada. Nada mais rock´n´roll!

Mas essa “briga” entre country e rock ficou ainda mais evidente nos anos 90. Nessa época, as rádios country ignoravam os álbuns de Johnny. A relação com as gravadoras também não era das melhores.

Tudo piorou quando Cash se juntou ao produtor Rick Rubin e inciou a série American. Todos os críticos ligados ao estilo condenaram o cantor. Diziam que aquilo não era country. Foi nessa fase que Cash fez versões para bandas de rock contemporâneo, como Nine Inch Nails, Soundgarden, U2, Depeche Mode, entre outros.

Para “celebrar” o momento, Cash e Rubin compraram um anúncio de página inteira na revista Billboard, onde sarcasticamente agradeciam à indústria da música country por seu apoio irrestrito, acompanhado de uma fotografia de Cash mostrando seu dedo médio (em breve farei um post especial sobre isso).

De qualquer forma, Johnny Cash sabia como ninguém transitar tanto pelo country, como pelo rock. E, mesmo em seus últimos discos, o Man in Black nunca esqueceu dos artistas country. Tanto que a série American tem homenagens a grandes nomes desse estilo, como Hank Williams e Kris Kristofferson.

Por isso, vamos esquecer esses rótulos. Afinal, o som de Johnny Cash é impossível de se classificar. O próprio Cash era contra separar as duas coisas. Ele detestava esse tipo de rótulo. A verdade é que graças a essa mistura de estilos (sem esquecer do gospel também) é que o ídolo conseguiu chegar a um som inigualável.

A maior prova disso é que ele faz parte do Rock and Roll Hall of FameCountry Music Hall of Fame, Gospel Music Hall of Fame e Rockabilly Hall of Fame. Pouca coisa, não?!

Anúncios

O quarteto de um milhão de dólares

Imagine que, por uma grande casualidade, juntássemos os maiores astros da música para uma jam improvisada? Pois essa reunião, de fato, aconteceu. E, claro, tudo foi devidamente registrado por Sam Philips.

No dia 04 de dezembro de 1956, Carl Perkins gravava um novo álbum com a participação do novato Jerry Lee Lewis tocando piano. Quando, por puro acaso, Elvis Presley e Johnny Cash, que estavam “de bobeira” na Union Avenue, resolveram dar uma passadinha no estúdio da Sun Records.

No repertório, quarenta e sete canções foram gravadas em uma fita magnética da marca Scotch. As gravações ficaram guardadas em uma lata nas gavetas da gravadora até 1969, ano em que surgiu pela primeira vez um disco do Million Dollar Quartet.

A propaganda acerca da sessão foi enorme: Sam convocou o jornalista Bob Johnson, do Memphis Press-Scimitar, um jornal local, para “cobrir” o encontro, e um fotógrafo para imortalizar aquele momento único. No dia seguinte, o artigo, intitulado “O quarteto de um milhão de dólares”, tornava imortal a brincadeira entre os quatro.

Se existe um “porém” nessa história toda é o fato de Johnny Cash não cantar em nenhuma faixa. Ele apenas toca guitarra em algumas músicas. Mas, mesmo sem ouvirmos uma frase sequer do Homem de Preto, esse encontro é histórico e merece ser conferido. Afinal, a história do Rock´n´Roll estava nascendo ali. E, claro, Johnny Cash fez parte dela.

O filho de Cash

John Carter Cash completa hoje 42 anos. Trata-se do único filho do casal Johnny e June. John é produtor musical e escritor. Sua mais recente obra é “House of Cash”, publicado no final de 2011 nos EUA. O livro conta com fotos inéditas, letras, anotações e lembranças do Homem de Preto. O foco da obra é a relação que John teve com seu pai: os ensinamentos que recebeu e as conversas que tiveram.

Antes disso, o filho de Cash já tinha publicado alguns livros infantis e também “Anchored in Love”, que homenageia sua mãe, revelando detalhes íntimos da vida de June Carter e também de seu relacionamento com Johnny Cash. Uma grande oportunidade do leitor conhecer a fundo quem foi June – que, embora sempre tenha ficado à sombra de Cash, foi importantíssima em sua vida.

Como produtor, John tem cinco Grammys. Começou com Passione On, de June Carter, em 1999. Depois, foi trabalhar com Rick Rubin produzindo dois CD´s da famosa série American: American III e American IV. Além disso, já produziu álbuns de Elvis Costello, Willie Nelson, Laura Cash, Sheryl Crow e diversos artistas country.

Mas o que quero destacar hoje é o John Carter Cash cantor. Em 2010, ele lançou The Family Secret. Ao contrário do que muitos possam imaginar, esse não é um autêntico álbum country. Há ecos de Pink Floyd, Led Zeppelin e até Metallica. Claro que você vai encontrar baladas e um pouco de pop, mas o rock é a principal influência de John nesse disco.

Confira as faixas de The Family Secret: