A despedida

O cartaz anunciava um show muito esperado por todos. Quem iria cantar era um velho conhecido do povo americano. De cabelos brancos como a neve, muitas rugas no rosto e uma profunda tristeza por ter que viver sem a amada, Johnny Cash faria ali um de seus  últimos shows.

O dia era um 21 de junho, como hoje. O Homem de Preto poderia muito bem ter escolhido o estádio do Titans, em Nashville, e cobrar US$ 200 de cada fã. Com certeza lotaria. Mas ele preferiu o modesto e histórico Carter Family Fold, na Virginia. O ingresso? Apenas US$ 5 para assistir aquele que foi um dos maiores nomes da música de todos os tempos.

Cerca de 1.600 pessoas se amontoaram para ver Cash, que iria falecer dois meses depois. Notícias de bastidores afirmam que a família tentou convencer o cantor a desistir do show, por conta do seu estado de saúde. Ele bateu o pé e abriu mão até da cadeira de rodas. Cash queria andar no palco e ver de perto o rosto de seus fãs mais uma vez.

Todo vestido de preto, é claro, ele passou lentamente pela porta ajudado por dois assistentes. Atrás do mito, vinha John Carter Cash, seu único filho. A multidão enlouquecida, aplaudiu seu mestre. Imediatamente, os primeiros acordes de “Folsom Prison Blues” começaram a ser tocados.

Logo depois de “Sunday Morning Coming Down”, Cash disse: “June e eu estávamos juntos há 40 anos, e a dor é tão grande que não consigo descrevê-la. Isso machuca muito”, completou.

Cash então dedicou a próxima canção à amada. “Essa é para June. Eu sei que você está aqui esta noite, baby.” Johnny fechou os olhos e, em tom de oração, cantou para sua esposa.

Assista, abaixo, a um trecho desse grande e emocionante show:

Anúncios

Um filme para June

O canal americano Lifetime anunciou a produção de “The June Carter Cash Story”, um telefilme sobre a vida de June Carter. A cantora Jewel foi a escolhida para viver o grande amor de Johnny Cash. Já o Homem de Preto será interpretado por Matt Ross (foto), famoso pelas séries “CSI”, “Bones”, “Big Love” e “The American Horror Story”.

O projeto é baseado no livro de memórias de John Carter Cash,  filho de Johnny e June. O roteiro da adaptação será escrito por Richard Friedenberg e a direção ficou a cargo de Allison Anders.

A produção mostrará o relacionamento da cantora com Cash, mas também abordará outras etapas de sua vida, como a infância na Virgínia e toda sua trajetória musical. As filmagens de “The June Carter Cash Story” começam no verão americano em Atlanta e a estreia deve acontecer ainda este ano na TV.

Como se trata de uma emissora americana, a chance de lançarem o filme no Brasil é zero. Infelizmente.

Fã-clube

Precisamos reconhecer, Johnny Cash não é popular no Brasil. Sendo assim, não são tantos os fãs do cantor aqui no país do samba. Tanto que, ao que tudo indica, não existe nenhum fã-clube de Cash no Brasil.

Além disso, os fãs do Homem de Preto ainda sofrem um bocado para conseguir materiais oficiais do ídolo. E isso inclui álbuns, shows, entrevistas, documentários e biografias. Não há quase nada disponível no mercado nacional.

Mas, apesar de tudo isso, encontramos no orkut uma comunidade em homenagem a Johnny Cash com mais de 20 mil membros! Em Johnny Cash – Brasil, há links para download de músicas, informações e notícias sobre o Homem de Preto e os mais variados debates e discussões sobre o cantor norte-americano.

Como não podia ser diferente, o Senhor Cash resolveu entrevistar Wotson de Assis, de apenas 22 anos, que é o atual dono da comunidade. Confira!

Como você se tornou fã de Johnny Cash?

Em 2005, eu vi uma reportagem numa revista sobre o filme Johnny & June e fiquei com aquilo em mente. Mesmo assim, nunca me importei em ouvir as musicas de Cash. Porém, sempre que o via na televisão ficava impressionado. Então, em 2008, eu procurei saber mais dele. Pesquisei muito, baixei as musicas e procurei entender as letras para saber o que Cash queria transmitir nelas. Fui atrás também de alguns materiais e biografias. Pra mim fã é isso, é buscar saber sobre seu artista favorito, escutá-lo todo dia e ter a certeza que isso é o que você quer ouvir pro resto da sua vida.

De onde surgiu a ideia da comunidade?

Sou dono da comunidade há pouco mais de 4 meses. O antigo proprietário a cedeu pra mim, pois ele não era muito presente. Antes disso, eu sempre tentava mante-la “viva” postando, fazendo enquetes e perguntas. Foi aí que mudei a descrição da comunidade e assumi o comando. Uma coisa que sempre faço é mudar a foto – raras por sinal – da comunidade.

Na sua opinião, por quê não há quase nenhum material sobre Johnny Cash em português?

Cara, o recente estouro do Cash foi quando Johnny & June estreou nos cinemas e logo em seguida o álbum American V: Hundred Highways atingiu o topo da Billboard. O mundo vivia a febre do Johnny Cash novamente, a chamada Cashmania. O Brasil também estava incluso nisso, mas acontece que os brasileiros não gostavam de verdade do Cash. Era mais uma “modinha” de época. Por isso e outas questões o acervo em português do Cash é fraco. Recentemente, postei na comunidade uma notícia de que uma editora (Leya) vai traduzir sua autobiografia, o que já vai ajudar muito!

Onde você consegue boas informações sobre Cash?

Internet é a chave. Agora você tem que saber onde pesquisar. Entro muito em sites americanos e também mantenho contato com a familia e amigos do Cash,
pela internet, como sua filha Kathy Cash por exemplo. Assim, acabo ficando por dentro das últimas notícias.

Jackson

Há exatos 45 anos, “Jackson” entrava na parada da Billboard em segundo lugar. Embora Johnny Cash tenha feito diversos duetos com June Carter, essa sem dúvida é a música definitiva da dupla.

“Jackson” fala sobre um casal que acha que aquele “fogo” que havia em seu relacionamento simplesmente desapareceu. A canção conta sobre o desejo de ambos em viajar para uma cidade chamada Jackson, onde há uma disputa para ver quem será melhor recebido e melhor adaptado à animada vida noturna do local. Trata-se de um conflito entre o casal e cada um quer provar ao outro que é mais legal e que sabe se divertir mais e melhor.

Só que toda a letra da música se contradiz com o que Johnny e June mostravam. A energia e a paixão entre os dois eram incríveis! Especialmente em “Jackson”, eles se mostram muito felizes e empolgados por dividirem o mesmo palco. Fica parecendo que toda essa “provocação” da letra nada mais era que um intenso e selvagem amor. Daqueles casais que brigam, discutem, saem no tapa e, no final, terminam em um grande beijo.

Na verdade,  “Jackson” foi escrita alguns anos antes, em 1963, por Jerry Leiber e Edd Wheeler Billy. Antes de Cash, a versão mais conhecida era da dupla Lee Hazlewood e Nancy Sinatra (ela mesma, a filha de Mr. Frank). Mas nada se compara com a gravação matadora e apaixonante de Johnny e June – que contava ainda com guitarras de Carl Perkins.

Com vocês, “Jackson”:

O filho de Cash

John Carter Cash completa hoje 42 anos. Trata-se do único filho do casal Johnny e June. John é produtor musical e escritor. Sua mais recente obra é “House of Cash”, publicado no final de 2011 nos EUA. O livro conta com fotos inéditas, letras, anotações e lembranças do Homem de Preto. O foco da obra é a relação que John teve com seu pai: os ensinamentos que recebeu e as conversas que tiveram.

Antes disso, o filho de Cash já tinha publicado alguns livros infantis e também “Anchored in Love”, que homenageia sua mãe, revelando detalhes íntimos da vida de June Carter e também de seu relacionamento com Johnny Cash. Uma grande oportunidade do leitor conhecer a fundo quem foi June – que, embora sempre tenha ficado à sombra de Cash, foi importantíssima em sua vida.

Como produtor, John tem cinco Grammys. Começou com Passione On, de June Carter, em 1999. Depois, foi trabalhar com Rick Rubin produzindo dois CD´s da famosa série American: American III e American IV. Além disso, já produziu álbuns de Elvis Costello, Willie Nelson, Laura Cash, Sheryl Crow e diversos artistas country.

Mas o que quero destacar hoje é o John Carter Cash cantor. Em 2010, ele lançou The Family Secret. Ao contrário do que muitos possam imaginar, esse não é um autêntico álbum country. Há ecos de Pink Floyd, Led Zeppelin e até Metallica. Claro que você vai encontrar baladas e um pouco de pop, mas o rock é a principal influência de John nesse disco.

Confira as faixas de The Family Secret: