Novo filme

O novo trailer de Killing Then Softly (O Homem da Máfia) apresenta nada mais nada menos que Johnny Cash em sua trilha sonora! O longa, que será estrelado por Brad Pitt e Ray Liotta, tem estreia prevista para 15 de novembro.

O filme, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes este ano, é inspirado no livro Cogan’s Trade, de George V. Higgins. A produção conta a história do investigador Jackie Cogan (Brad Pitt), que é encarregado de caçar os bandidos que assaltaram criminosos protegidos pela máfia durante um jogo de pôquer.

A música em questão é “The Man Comes Around”, que faz parte do álbum American IV, lançado em 2002. A canção, na verdade, foi escrita alguns anos antes. Trata-se de uma das últimas músicas que Cash escreveu em sua vida. O próprio Man in Black disse, em sua autobiografia, que essa foi uma das canções mais importantes de sua carreira – já que essa seria a última chance de lançar um trabalho autoral para o público. A maior influência para Cash escrever essa música foi sua religiosidade. A letra faz diversas referências bíblicas, sobretudo do livro Apocalipse.

E já que estamos falando de trilha sonoras, sempre é bom lembrar que “The Man Comes Around” já fez parte do filme Madrugada dos Mortos (2004), além de diversas séries de TV. Recentemente, um remix da canção entrou no trailer de Abraham Lincoln: Vampire Hunter. 

Confira o trailer de Killing Then Softly!

Man in Black, em exposição

Uma nova galeria de artes da Escócia está recebendo uma exposição de fotografias de Johnny Cash. São 32 imagens do Homem de Preto, metade das quais nunca foram exibidas ao público antes.

As fotos foram tiradas pelo fotógrafo e amigo de Cash, Jim Marshall. Durante quase 10 anos, ele juntou fotos de shows, viagens e encontros com outros artistas, além de momentos mais íntimos com sua família.

A exposição acontece até o dia 24 de Novembro na galeria Summerhall, em Edinburgh, Escócia. Nesse mesmo período, a galeria apresenta também uma exposição com fotos de Bob Dylan, quando o músico estava em turnê pela Europa, em 1966.

Em crise

Johnny Cash estourou no final dos anos 1950, porém a primeira metade da década seguinte não foi nada agradável para o Man in Black.

Um dos acontecimentos mais “desastrosos” se deu em 1965, quando uma peça do seu caminhão esquentou demais e acabou colocando fogo em todo o veículo quando ele passava pelo Parque Nacional de Los Padres, nos Estados Unidos.

Relatos dizem que Cash abandonou o veículo em chamas para ir pescar e o mesmo acabou colocando fogo em 206 hectares de terra, o equivalente a 2.060.000 metros quadrados. Além da imensa área que atingiu, o incêndio ainda acabou matando 49 dos 53 condores que estavam lá e eram protegidos pelo Governo Federal dos Estados Unidos, pois estavam ameaçados de extinção.

Ao ser julgado pelo caso, Cash disse que não foi ele que causou aquilo: “foi meu caminhão, e ele está morto, então você [juiz] não pode perguntar pra ele.” Além disso, quando foi informado sobre a morte dos 49 pássaros, Cash disse que não se importava nem um pouco com “seus malditos pássaros amarelos.” Resultado: o governo federal processou o cantor e Cash teve que pagar uma bela multa.

Nessa época, a carreira e a popularidade de Johnny declinava consideravelmente ao mesmo tempo que seus status de rebelde ascendia. O Homem de Preto parecia estar na rota inevitável da auto-destruição. Mas, como conta a história, não foi bem isso que aconteceu.

Cash em 8 bits

Lembra das músicas que rolavam nos videogames antigos, como Nintendo e Master System? Conhecida como Chip Music, essas músicas contavam com apenas quatro canais de áudio.

A novidade é que, atualmente, é possível samplear vários destes saudosos timbres em computadores e sintetizadores e, assim, criar novas músicas em 8 bits. É aí que Johnny Cash entra na história.

O DJ britânico Bullwack resolveu transformar algumas músicas famosas em Chip Music. Após algumas experiências com o Radiohead, agora chegou a vez do Man in Black. A faixa escolhida foi “Hurt”, originalmente gravada pela banda Nine Inch Nails.

Apesar de ser uma brincadeira, achei bem legal o resultado. Já pensou se fosse possível jogar Super Mario Bros, com uma música do Homem de Preto ao fundo? rs

Johnny Cash – Hurt (8 bits version)

Xerife?

Fora da lei? Há controvérsias! Johnny Cash recebeu em 1979 esta carteirinha que o legitimava como agente da lei no condado de Davidson, Tennessee (EUA) com o posto de assistente de xerife. Esta curiosidade foi encontrada através do tumblr retrô David Cowles Studios.

O mais engraçado é que o Homem de Preto possuía uma fama bem diferente. Talvez por Cash se apresentar voluntariamente em penitenciárias desde o início de sua carreira. Além disso, músicas como “Cocain Blues”, “Folsom Prison Blues” e “San Quentin” contavam sempre histórias de presidiários e criminosos. E isso sem falar nos álbuns At Folsom Prison e At San Quentin, que foram gravados dentro das prisões.

Porém, ao contrário do que muitos fãs imaginavam, o Man in Black nunca ficou na cadeia por muito tempo. Seu maior problema com a lei foi em 1965, quando um esquadrão antinarcóticos em El Paso, Texas, o pegou em flagrante. Os oficiais pensavam que Cash trazia heroína do México, mas na verdade eram apenas anfetaminas, escondidas na caixa de seu violão. Cash também foi preso no ano seguinte em Starkville, Mississippi, ao invadir uma propriedade privada para apanhar flores.

De qualquer forma é muito irônico ver uma imagem dessas. Eu ainda prefiro essa outra foto:

Enquete: American

Semana passada publiquei a nossa primeira enquete sobre os clássicos de Johnny Cash. Até o momento, “Folsom Prison Blues” lidera com 16.67%, seguido de perto por “Ring of Fire” com 14.58%.

E, como prometido, hoje é a vez de votar nas músicas da série American, que compreende os álbuns de 1994 a 2010.

Obs: As canções de autoria do Man in Black, relançadas nessa época, não entraram na enquete. 

Procura-se

Hoje vou falar de uma das músicas que mais gosto de ouvir na voz de Johnny Cash: “Wanted Man”. Embora não seja muito popular entre os fãs, trata-se de uma ótima canção do Homem de Preto. Além, é claro, de ter nascido de uma forma muito especial.

Tudo começou com o épico encontro entre Bob Dylan e o Homem de Preto, em fevereiro de 1969. em Nashville. Na ocasião, tocaram cerca de dezoito músicas juntos e “Girl From the North Country” acabou entrando no novo álbum de Dylan. Durante sua estadia na cidade, Bob escreveu “Wanted Man” para o amigo.

“Na semana passada, em Nashville, Bob Dylan, um dos melhores escritores… Bem, eu não preciso dizer que Bob Dylan é o maior escritor do nosso tempo. Ele estava na minha casa, nos sentamos e escrevemos uma música juntos”,disse Johnny Cash na época.

A letra fala de um homem procurado em diversos estados e cidades americanas, como California, Buffalo, Ohio, Mississipi, Colorado, El Paso, entre outros. Só não sabemos se ele é procurado pela polícia, por bandidos ou por mulheres. Já que há a citação de que Lucy Watson, Jeannie Brown e Nellie Johnson estavam atrás dele. A música tem uma levada sensacional, contagiante e é “a cara” de Cash!

“Wanted Man” foi lançada no álbum ao vivo At San Quentin e depois entrou na trilha sonora do filme “Little Fauss & Big Halsy”. Ela ainda voltaria a aparecer nos discos The Mystery of Life, de 1991 e, Wanted Man, de 1994.

Nos anos 2000, foram lançadas duas coletâneas que levam o nome da canção. Em 2002, tivemos Wanted Man: The Very Best of Johnny Cash (Columbia) e, seis anos depois, Wanted Man: The Johnny Cash Collection (Sony)

Com vocês, Johnny Cash cantando “Wanted Man”: